O SUV cresceu 7,7 cm para poder levar mais bagagem (Divulgação/Volkswagen)

Quando surgiu, em 2002, o sedã Phaeton foi incumbido de roubar uma fatia do mercado de luxo das mãos da BMW, Mercedes e até da Audi (que faz parte do grupo VW). Mas o sonho de megalomania da marca alemã que sempre fez carros populares naufragou.

A empresa percebeu que, no segmento premium, o status da marca é tão importante quanto a sofisticação do carro em si. Por isso, as vendas do Phaeton nunca deslancharam e ele saiu de linha em 2016, como um dos maiores fracassos da empresa.

Apesar do aumento do porte, ele ficou 106 Kg mais leve (Divulgação/Volkswagen)

Sobrou então para o Touareg – que desde 2002 já vendeu mais de 1 milhão de unidades em todo o mundo – a responsabilidade de ser o único modelo da família VW a tentar seduzir o público de alto poder aquisitivo, o que tem feito com bons resultados na Europa e na China.

Mas agora ele deixa de ser exportado para os Estados Unidos, onde a marca começou a comercializar o Atlas, um SUV igualmente grande, mas com um posicionamento de preço inferior.

O câmbio é automático de 8 marchas (Divulgação/Quatro Rodas)

Ainda sem previsão de chegada ao Brasil, a terceira geração do Touareg mudou bastante para tentar cativar os consumidores endinheirados.

Assim, ele melhorou por dentro, com mais espaço, equipamentos e qualidade de acabamento, semelhante ao que vemos nas marcas alemãs premium.

Por fora o novo SUV está 7,7 cm mais comprido (total de 4,88 m), 4,4 cm mais largo e apenas 0,7 cm mais baixo.

Mas manteve seu entre-eixos de 2,89 metros (igual ao do Porsche Cayenne, que também usa a plataforma MLB Evo, compartilhada com o Bentley Bentayga e o Lamborghini Urus.

Como o entre-eixos é o mesmo, o espaço para motorista e passageiros não mudou muito (Divulgação/Volkswagen)

Assim, o maior ganho ficou mesmo por conta do porta-malas, cujo volume cresceu de 697 para 810 litros (mesmo mantendo os bancos traseiros na posição normal).

E, apesar do aumento de tamanho, ele ficou 106 kg mais leve, devido ao maior uso de alumínio.

O porta-malas cresceu 113 litros (Divulgação/Quatro Rodas)

O novo sistema de iluminação é extremamente avançado, no caso dos faróis opcionais LED Matrix, que trazem 75 pontos de luz que são responsáveis pelo controle de 12 funções.

Permitem, por exemplo, que as luzes se ajustem automaticamente a cada cenário, cada situação de condução e até à hora do dia.

Mudança do farol alto para o baixo e vice-versa, uso na cidade, na estrada, no off-road, nevoeiro, é tudo feito automaticamente, com luz brilhante e sem ofuscar os outros motoristas.

O Touareg III é também o primeiro Volks a contar com um sistema de visão noturna que detecta radiação infravermelha emitida pelos seres vivos, projetando a imagem deles em cores no painel.

Infravermelho pode detectar animais ou pessoas na via (Divulgação/Volkswagen)

Supertela
Esse mesmo nível de sofisticação pode ser visto no interior. São 30 pontos de luz ajustável no total, dos puxadores e painéis de porta ao porta-luvas, das luzes de cortesia ao piso.

No painel, há uma supertela de 15 polegadas de alta resolução (só na versão topo de linha), que é direcionada para o motorista e agrupa a quase totalidade dos comandos, como som, ar-condicionado ou aquecimento/refrigeração dos bancos, havendo apenas alguns botões analógicos para funções de utilização mais frequente, como o volume do sistema de áudio, por exemplo.

A supertela, de, 15 polegadas, é voltada para o motorista (Divugação/Volkswagen)

A tela trabalha em conjunto com o quadro de instrumentos digital de 12 polegadas e o maior head-up display disponível na linha VW (21,7 x 8,8 cm).
A oferta de espaço interno é tão generosa quanto a qualidade dos materiais ou o isolamento acústico da requintada cabine.
A qualidade dos materiais é tão generosa quanto o espaço interno (Divulgação/Volkswagen)

A crítica fica apenas para o tipo de volante, pois a unidade que equipava o protótipo que dirigimos em Saragoça (Espanha) parece simples demais e não combina com o moderno e bem construído painel de bordo.

Também faz falta nesse segmento a tampa do porta-malas com acionamento elétrico de série (será opcional).

A suspensão pneumática ganhou a opção do compensador de rolamento da carroceria, graças às barras estabilizadoras ajustáveis eletricamente, sistema que já estreou no Audi Q7.

Traz os programas Normal e Comfort, além (como extras) dos modos Off-Road (2,5 cm mais alto) e Special Off-Road (7 cm).

Há ainda o ajuste que baixa a traseira em 5 cm para carregar o porta-malas.

Fácil de manobrar
Outra grande novidade em termos de chassi é o eixo traseiro direcional, que é determinante para que esse modelo seja muito mais ágil e manobrável, para dar conta do seu porte agigantado.

Graças ao eixo traseiro direcionável, a nova geração ficou mais estável em alta velocidade e , nas manobras, pode fazer um retorno quase no mesmo espaço de um Golf (Divulgação/Volkswagen)

Impressões ao dirigir: Novo Touareg, o primo rico da VW
A terceira geração do Touareg nasceu para ser o único Volks de alto luxo da popular marca alemã

Quatro Rodas: Joaquim Oliveira/Press-inform, de Saragoça (Espanha)